click the flag and translate

Google-Translate-ChineseGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish
/div>
/div>

quarta-feira, 17 de março de 2010

Maldito Pão!!!


Maldito pão! Bendito Pão! Considero o pão o maior problema para quem está tentando uma dieta hipocalórica: puro carboidrato e carregado de calorias – e no caso dos pães de farinha refinada, ainda por cima, calorias inúteis. Mas tão gostosos. Não dá para deixá-lo de fora. O pão e é talvez o mais universal e um dos primeiros alimentos processados consumido pelo homem que, desde que o inventou, nunca mais se separou dele.
Para começar aí está uma tabela de pães com suas calorias, retirada do site da Fleischmann:
Pão de fôrma sem casca (1 fatia)-36 calorias
Pão de fôrma light (1 fatia)-55 calorias
Pão Sueco preto (1 fatia)-78 calorias
Pão de fôrma tradicional (1 fatia)-78 calorias
Pão de fôrma com aveia (1 fatia)-86 calorias
Pão sírio/pão Pitta (1 unidade pequena)- 90 calorias
Pão de hambúrguer (1 unidade)- 188 calorias
Pão de fôrma com linhaça (1 fatia)-70 calorias
Pão de fôrma preto (1 fatia)- 70 calorias
Pão Italiano (1 fatia fina de 30g)- 79 calorias
Pão de fôrma integral (1 fatia)- 80 calorias
Pão de batata (1 unidade)- 96 calorias
Pão francês (1 unidade)- 135 calorias (menos 40 do recheio)
Pão de Hot-Dog (1 unidade)- 141 calorias
Ciabatta grande (1 unidade)-259 calorias
Pão de fôrma sem casca (1 fatia)-36 calorias
Baguete (que não consta da lista do site):(1 fatia grossa) 70 calorias
Como, então, incorporar o pão em nossa dieta hipocalórica?
A saída está na velha sabedoria de Buda: “o melhor caminho é o caminho do meio”. Temos que procurar formas de incorporar o pão na nossa dieta de uma forma mais saudável e produtiva (e gostosa claro). Obviamente não dá para viver de pães e sanduíches, mas há algumas dicas que podem ajudar no nosso esforço de emagrecer sem abrir mão do prazer.
-A primeira delas é dar preferência aos pães com farinha integral. Mas, preferência, não precisa ser exclusividade: todo mundo tem direito ao seu pão francês ou sua baguetezinha de vez em quando. O segredo ai está no tamanho da porção.
-Um exemplo: compre diversos tipos de pães que você gosta (veja sempre se tem a versão com farinha integral) como pão francês, ciabatta, pão italiano, baguete, ou outras especialidades de sua padaria predileta –desde que salgados – e corte em pedaços ou fatias pequenas (entre 3 e 5 cm) e congele no freezer dentro de sacos plásticos. Basta tirar o seu naco de pão 5 minutos antes que ele descongela e fica com cara de novo. Limite-se a um pecadilho (ou pedaço) por dia com um dos recheios magros abaixo. Ou, um dia ou outro, uma colherzinha (café) de manteiga (5 gramas- mais ou menos 35 calorias, que podem ser reduzidas nas versões light).
A outra idéia é escolher bem o que colocar no pão... E o famoso patê de iogurte é a melhor opção com suas possibilidades de sabores doces e salgados. È fácil. É só pegar um pote de iogurte desnatado e colocá-lo num coador de café desses permanentes- o outro não serve- ou em outro tipo de pano fino sobre uma peneira e deixar escorrer de um dia para o outro. Ele fica pastoso, como já mostrei aqui várias vezes e é um excelente substituto para a manteiga.
Ai é só temperá-lo. Use sua criatividade: um pouco de sal e azeite; ou pode também acrescentar salsinha e cebolinha; ou alho picadinho; ou cebola ligeiramente refogada; ou pequenos pedacinhos de tomate e ainda as mais diversas ervas: tudo que a imaginação mandar.
O patê pode também ter uma versão doce, basta colocar adoçante forno e fogão e acrescentar, por exemplo, um pouco de frutas secas, como damasco picadinho, ou ameixa, ou uvas-passas... Se quiser- e puder- coloque até uma colherzinha de chá de mel (são mais 30 calorias, mas compense em outra coisa). Também fica bom com pedacinhos de abacaxi ou com uma colher (sopa) de geléia diet.
Além do patê há ainda o queijo cottage que é muito gostoso e pode receber os mesmos temperos ou ser consumido in natura. Fica ótimo e com uma aparência apetitosa se por cima do queijo colocar uma colher de chá de geléia diet ou dessas geléias de frutas sem açúcar, mas não exagere porque elas são calóricas. Consulte as calorias da embalagem. Outra delicia: fatia de pão, fatia fina de queijo Minas ou ricota e uma colher (café) de mel encimando tudo.
Outra sugestão é associar o pão aos legumes e verduras. Uma torrada de pão de forma integral coberta com tomatinhos picados e refogados numa colherzinha de café de azeite, cheiro verde, e temperado com sal e pimenta do reino fica ótima.
Um refogado de berinjela, tomate, cheiro verde, abobrinha, cebola, tudo picado miudinho também fica ótima com pão integral.
Ou recheie seu pão com uma salsicha de frango ou peru ou uma fatia de mortadela de peru defumado e junte tomate em fatias, manjericão, rúcula com um fiozinho de azeite e sal.
-gosta de pão com queijo quente??? Um dia ou outro calcule as calorias da fatia fina de queijo e incorpore-a entre duas fatias de pão de forma sem casca. Enriqueça com fatias de tomate, sal e orégano...
- pegue 2 colheres de sopa de alho picadinho no processador e refogue numa colher de sopa de azeite (90 cal) passe sobre duas fatias de pão de forma ou duas metades de pão francês. Guarde uma fatia preparada no freezer. A outra leve ao forno e coma com uma bela salada de verdes.
-aquele famoso sanduíche “boi ralado” também é uma boa opção. Normalmente tira-se o recheio do pão francês ou de uma ponta de uma baguete e dentro dele coloca-se carne moída.
Misture o carne moída com um refogado de tomate e cebola para diminuir a quantidade de carne e na hora de colocar no pão forre-o antes com folhas de rúcula.
-O pão Pitta (aquela tradicional, bem fininho) dá ótimos sanduiches. Pegue metade dele, abra e recheie com queijo cottage ou a salada de sua preferência.
-Ou então pegue um dos lados do pão Pitta coloque o recheio de sua preferência e enrole. Terá um belo e light wrap....
-faça pães em casa: é gostoso, nos remete às nossas raízes, é aconchegante.(VEJA A PRÓXIMA POSTAGEM0. Existem receitas simples e fáceis que nem precisam de máquina de pão. Além de tudo você pode controlar o que vai dentro dele: menos gordura, nenhum açúcar, por exemplo. E pode ainda acrescentar ingredientes especiais como a farinha de feijão branco, que é boa para o funcionamento dos intestinos; misturas de farinhas como da Ração Humana ou linhaça dourada substituindo uma xícara da farinha que for usar no pão.
-faça pães recheados com ingredientes light para que nem precise passar mais nada nele na hora de comer. Vale para opções doces e salgadas (veja as duas receitas abaixo).
Historiadores acreditam que o pão surgiu há 12 mil anos na Mesopotâmia (hoje Iraque), onde o homem começou a cultivar o trigo. O primeiro passo foi a “invenção” da farinha triturando-se o trigo com pedras. Logo a farinha começou a ser usada em sopas e mingaus junto com os mais diversos ingredientes. Daí surgiu um tipo de bolo cozido (criado provavelmente um dia em que alguém errou a mão e colocou mais farinha na sopa do que devia). Depois o bolo passou a ser assado sobre pedras quentes ou cinzas dando origem ao pão. Os primeiros pães eram achatados, duros e secos, até que os egípcios passaram a adicionar a eles o fermento. Os egípcios também foram os primeiros a usar fornos de barro para assar pães por volta do ano 7.000 a. C. Cristo. Indícios de pão fermentado são de 3 mil a.C, mas provavelmente o fermento foi descoberto muito antes já que é um processo natural.

Foram os romanos que inventaram as padarias, que eram públicas, e as espalharam por toda a Europa. Mas com o fim do império o pão voltou a ser feito em casa, muitas vezes, sem fermento. Mas mesmo assim o homem nunca o dispensou. O pão como o conhecemos hoje surgiu no século XII na França.
No Brasil o pão só substituiu a mandioca e o biju no século XIX. Nosso pãozinho francês que é brasileiríssimo foi uma interpretação das cozinheiras das famílias abastadas brasileiras das receitas que os patrões traziam da França, onde começava a se popularizar a baguete e sua história tem mais de cem anos.

Um comentário:

Roberta disse...

Rê, vc lembra da minha pasta de cenoura? Duas cenouras cozidas, uma crua, uma cebola, alho a gosto, salsinha, limão e azeite o suficiente para bater no liquidificador (vai pouco). E chamada de maionese magra - pode temperar saladas de folhas, comer no pão.. uma delícia! Beijos